Blog Vou de Bike

Postado em 5 de janeiro por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Comece o novo ano pedalando!

Eu vou de bike

Começo de ano é sempre a mesma coisa, com metas e resoluções que acabam esquecidas na rotina diária ao longo dos meses. Se a sua resolução para 2022 é ter uma vida mais saudável, a bicicleta pode ser uma ótima opção!

Para começar 2022 pedalando, separamos alguns textos que já publicamos aqui no Eu Vou de Bike que dão ótimas dicas para quem pensa em começar a rodar de bicicleta por aí, seja para lazer ou como uma ótima forma de transporte.

Antes de mais nada, você precisa saber que a decisão de começar a trocar o carro pela bicicleta não é tão difícil quanto parece. Para fazer esta troca de maneira prazerosa, a primeira questão é a escolha do trajeto. Você deve, sempre que possível, evitar as grandes avenidas, especialmente no início. E, mesmo quando se tornar um atleta e tiver mais experiência na bike, pense bem: é muito mais gostoso andar por ruas calmas e arborizadas!

Depois que você decidiu pedalar, é muito importante saber quais são os equipamentos de segurança recomendados para um trajeto mais seguro. Luzes de identificação, buzina, faróis…

Quando pedalamos em parques ou nas ruas, temos de ter consciência que estamos operando um veículo como outro qualquer. Portanto, nosso comportamento sobre a bicicleta deve seguir um padrão para, por exemplo, indicar aos motorista que vamos dobrar uma esquina.

Se você que se aprofundar no assunto, vale dar uma olhada no texto em que explicamos algumas noções de ergonomia para a compra da bike e como se comportar sobre a bicicleta em dias de chuva.

Veja também como travar a sua bicicleta com mais segurança no paraciclo e como NÃO estacionar sua bicicleta. Por fim, veja algumas dicas de manutenção para que sua bike não te deixe na mão no meio da pedalada.

Com as informações acima, você já pode sair pedalando tranquilamente pelas ruas da sua cidade. Comece aos poucos, vá pegando confiança e aproveite o mês de férias para circular mais, uma vez que as ruas estão bem mais vazias.

Feliz 2018 e boas pedaladas!


Postado em 25 de dezembro por Eu Vou de Bike

Tags:

Feliz Natal e um Excelente 2022 !!!

O Eu Vou de Bike deseja a todos excelente um Natal e um 2022 de muitas pedaladas e alegrias!

– Foto no Flickr do Bilobicicles


Postado em 16 de dezembro por Eu Vou de Bike

Tags:, , ,

Bicicleta como presente de Natal

O Natal vem chegando e, apesar dos videogames, iPads e iPhones, as crianças adoram ganhar a “primeira bicicleta”, um presente inesquecível.

>> Veja como escolher o tamanho da bicicleta para seu filho

A Houston tem uma linha completa de bicicletas infantis para crianças de todas as idades.

Para os jovens na faixa do 10 aos 18 anos, a linha Furion deve agradar muito!

Veja aqui onde você encontra esses e muitos outros modelos da Houston!

Esta é nossa dica para o Natal. E não se esqueça do capacete para garantir uma pedalada muito mais segura!


Postado em 2 de dezembro por gugamachado

Tags:, , , , , ,

Filmando o Rolê (parte 4)

Neste post daremos algumas dicas de ajustes básicos para que sua filmagem fique com uma cara profissional!

– Procure selecionar a resolução que vai captar compatível com seu equipamento de edição. Como já dissemos anteriormente, uma resolução muito alta gera arquivos muito grandes e difíceis de serem processados. Tudo depende do seu objetivo final. Se o filme for utilizado profissionalmente, justifica-se utilizar o máximo de resolução disponível. Se for o caso de utilizá-lo somente para a web, não precisamos de uma resolução tão grande assim. Ainda tem a questão da “câmera lenta”, que vai muito bem quando estamos filmando tomadas que tenham muitas “manobras”. Neste caso, existe uma resolução específica para isto (FULL HD/120p ou HD/240p). Em nossa experiência, temos utilizado a resolução FULL HD 1920 x 1080, com 60 fps. Ela é satisfatória para utilizá-la em broadcast (qualidade profissional) e pode ser reduzida na edição para gerar um arquivo menor para web. Note que nossa Sony filma em até 4 K (resolução ultra HD) !!!! Posteriormente traremos alguns filmes para ilustrar de maneira prática estas diferenças.

– Se sua câmera tiver algum recurso de estabilização de imagem, o ideal é ativá-lo. No caso da nossa, este recurso chama-se “Stead Shot” e faz uma grande diferença, comprometendo muito pouco da imagem final. Mas utilize o recurso principalmente se for andar por locais acidentados.

– O ideal também é ativar o recurso de “filtro de ruído”, do tipo “wind noise reduction”. Normalmente o barulho do vento é bem intenso e pode comprometer o resultado final.

– Ainda se sua camera tiver uma “case” plástica de proteção, o ideal é utilizá-la, pois em caso de um tombo ou de poeira ela irá proteger seu equipamento. Note que este estojo pode comprometer a captação de som ambiente, e principalmente alguma eventual narração. Neste caso, o ideal é realizar a narração “em off”, na edição a ser feita posteriormente.

– Quando estiver pedalando, para dar mais “dinâmica” a sua filmagem, é legal ter sempre um “parceiro” no pedal, de modo que um possa filmar o outro, não ficando apenas com uma imagem de “primeira pessoa”. Você pode montar sua câmera no canote do selim por exemplo, e filmar seu parceiro atrás de você. Depois pode mudar a câmera para o guidão da bike dele, pedindo para que ele pedale atrás de você, captando assim uma imagem posterior da sua bike.  Daí é só misturar estes ângulos todos na edição final. Com esta variação de captação, seu filme fica bem mais dinâmico e interessante de ser visto!

– No caso da nossa Sony, tem um recurso bem legal que é a geolocalização nativa via GPS na câmera. A partir destes dados, ela dispõe um arquivo próprio que registra o percurso, bem como a velocidade da bike, disponibilizando tudo na edição final, através de um software proprietário. Veja no print abaixo!

 

E aí? Animado para ser o “Spielberg” das duas rodas????

Se você não viu ainda, as outras partes desta matéria estão aqui, aqui e aqui.


Postado em 11 de novembro por gugamachado

Tags:, , , ,

Filmando o Rolê (parte 3)

Continuando nossa série de posts sobre filmagem na bicicleta, agora seremos mais específicos, numa espécie de “passo-a-passo.”

Antes de filmar o rolê, verifique:

– se a carga da bateria da camera está completa. Infelizmente, baterias ainda são os pontos fracos de nossos queridos “gadgets”, muitas vezes deixando a gente na mão…Então o ideal é iniciar o rolê com a maior carga possível, levando inclusive uma bateria auxiliar. Em nossa experiência com a Sony, a duração média da bateria tem sido de quase 2 horas, bastante aceitável para a proposta!

– se o seu cartão de memória está “livre”. Video é o tipo de arquivo que consome bastante memória. E dependendo da resolução a ser utilizada (falaremos sobre isto em outro post), o arquivo é enorme! Então procure ter um cartão com o máximo de capacidade que você possa comprar, e principalmente, verifique se ele está vazio, ou seja, sem nenhum arquivo previamente gravado e “esquecido” por lá! Isto de ir gravando sem apagar conteúdos que já utilizamos é uma prática mais comum do que imaginamos….

– conheça as lentes de sua camera! Normalmente, as cameras de “ação” possuem lentes do tipo “fish eye”, que são lentes grande angulares, porém com um pouco de distorção nas bordas. Elas costumam pegar tudo que está num angulo de 170 graus. Daí a necessidade manter o objeto do seu filme sempre no centro da lente! Em alguns modelos, como é o caso da nossa Sony, é possível regular este angulo, reduzindo para 120 graus. Com isto, você diminui  seu campo de captação de imagem, porém diminui também a distorção nas laterais da filmagem bem como a sensação de “movimentos rápidos e bruscos” que este tipo de captação de imagem normalmente fornece!

– qual será seu “angulo de captação” de imagens. Isto é muito importante para que depois sua filmagem fique atrativa. Aliás, este é um dos pontos mais complexos quando se filma a partir de primeira pessoa, principalmente na bicicleta. A idéia é que nós possamos passar a sensação para nossa audiência de estar “andando” conosco. Por isto o enquadramento é tão importante, para que a imagem não fique “baixa demais” e só filme o chão, e nem “alta demais”, filmando só o céu… Normalmente as “action cams” não possuem displays como as cameras comuns, para economizar em peso e espaço.Assim, para resolver este problema, o ideal é fazer um monitoramento prévio do enquadramento, ou seja, posicione sua camera da maneira que achar conveniente, filme um pequeno trecho na condição exata que fará o rolê, e assista o resultado, fazendo as correções necessárias. Nas cameras mais atuais, temos o recurso de sincronia via Wi-Fi com smartphones, que fazem com que este se transforme em um monitor para nossa camera, facilitando muito o posicionamento desta, bem como até possibilitando algumas regulagens do menu da camera! No caso da nossa Sony, além de ter este recurso, ela conta também, como acessório opcional, com um “controle remoto” com tela (veja na foto que ilustra este post), que sincroniza perfeitamente com a camera, e que fica posicionado em nosso pulso, como um relógio, permitindo assim a verificação e ajuste constante do que estamos filmando, além do acionamento da mesma, facilitando muito a operação! Mais para frente faremos um tópico exclusivo sobre este tema de posicionamento da camera.

– qual resolução irá utilizar. Este também é um tema complexo que merecerá um capítulo exclusivo! Mas, basicamente, quanto maior a resolução (Full HD, por exemplo, que são 1.920 por 1.080 linhas, fornecendo uma imagem com mais de 2.000.000 de pixels, sendo atualmente presente em 70% dos televisores vendidos no Brasil), maior será a qualidade do arquivo, porém ocupando mais espaço no seu cartão de memória. Um arquivo muito grande também dificulta a edição posterior de imagens, e certamente terá que ser “convertido e reduzido” quando você for publicar seu video online. Muitas cameras também permitem o ajuste de “quadros por segundo” (trataremos posteriormente com mais profundidade). Por padrão, este ajuste pode ser de 30 FPS (frames por segundo). Porém, quanto mais “frames por segundo”, maior a “fluidez” da imagem.
– qual será o posicionamento de sua camera. Você pode posicioná-la tanto no capacete, quanto no quadro da bike. Em alguns casos, pode posicioná-la inclusive na sua mochila! Novamente aqui, o ideal é testar todas as possibilidades e ver qual mais te agrada! Também faremos um post exclusivo sobre posicionamento de camera, mostrando as possibilidades e os resultados.

E aí, pronto pra filmar seu rolê? Com todas estas medidas, certamente você será a nova atração da família!!!!! Agora é só definir o local, o percurso e disparar sua camera!!!

Você pode ler nossos dois posts anteriores sobre o assunto aqui  e aqui.


Postado em 4 de novembro por gugamachado

Tags:, ,

Filmando o Rolê (parte 2)

 

Mostrar ao mundo todo suas habilidades em duas rodas, ou mesmo sua vivência e experiência na bike, através da web, é fácil, divertido e pode ajudar a você e outros ciclistas a expandirem seus limites!

Com a popularidade da categoria das “Action Cams”, tudo ficou ainda mais interessante e desafiador, pois é possível fazer um filme de alta qualidade, pronto para “tirar qualquer sedentário do sofá”!

Por aqui estamos tendo uma excelente experiência com a Sony FDR – X1000V, e queremos com isto dar algumas  dicas a partir de nosso uso, para que os que ainda não filmam seu rolê, passem a fazer isto com mais frequência!

Em nosso post anterior , tratamos sobre o uso da câmera como equipamento de segurança.

Agora iniciaremos com dicas gerais, que vão abordar aspectos para você utilizar desde a captação até a edição de suas imagens!

Mas lembre-se: tudo o que você necessita é de uma boa câmera, e principalmente de uma mente criativa!

Esteja Preparado!

1- Antes de fazer o seu, assista vários videos na web, para se inspirar sobre seus “takes” (o que vai filmar), bem como seus ângulos de filmagem (no próximo post falaremos melhor sobre o posicionamento da câmera em si);

2- Pense sobre alguns lugares legais que você conhece, bem como alguns “truques” que você faz com sua bike! Anote tudo numa “lista de filmagem”, que depois pode se tornar seu roteiro!

3- Você deve “contar uma estória” com seu video, pensando em início, meio e final! Se for filmar uma trilha, por exemplo, você pode mostrar brevemente como foi seu café da manhã, depois o encontro com a galera, a escolha do “pico”, o início do pedal, alguns tombos (hahahaha, esta é a parte de a galera mais gosta!!!) e o final na padaria ou no bar! Quanto mais criativo, melhor será seu resultado!

4- Tente estabelecer um “tema” para seu filme! Por exemplo: “rolê gastronômico”, mostrando locais que você adora frequentar. Ou se for mais específico, uma técnica de bike. Fazer um filme só com “downhill”, ou só mostrando suas manobras de BMX funciona muito bem!

5- E se você pedala mais de um “estilo”, speed e mountain bike, por exemplo, pode fazer um video misturando um pouco estes dois mundos – isto costuma dar uma boa audiência!

No mais, pense sempre se você mesmo gostaria de assistir ao vídeo que acabou de postar!


Postado em 21 de outubro por gugamachado

Tags:, , , ,

Filmando o Rolê (parte 1)

Atualmente, a maioria da pessoas carrega no bolso uma camera fotográfica/filmadora com qualidade bem razoável, pronta para ser utilizada em qualquer ocasião!

Porém, quando falamos em filmar nosso rolê de bike, a exigência do equipamento aumenta consideravelmente, uma vez que, dentre outras coisas, uma camera adequada para esta finalidade precisa ser resistente e ter uma certa estabilidade de imagens. Daí caímos na categoria das “action cams”, cujo numero de modelos e fabricantes vem crescendo a cada dia.

A Sony do Brasil gentilmente nos presenteou com uma camera deste tipo, que dentre muitos recursos, filma com a altíssima resolução 4K.

Nossa idéia é fazer uma série de posts com dicas de filmagem e utilização destas cameras em nossa prática diária, quer seja numa aventura, num passeio, ou num deslocamento como transporte!

Começando por este último uso, com o recente aumento da presença das bicicletas nos grandes centros urbanos, em especial na cidade de São Paulo, temos testemunhado também uma certa dificuldade no convívio entre motoristas e ciclistas. Inclusive com xingamentos e com as criminosas “finas educativas”….

E uma maneira de se prevenir ou mesmo de registrar este tipo de conduta é utilizar uma camera ostensivamente presa em nosso capacete ou bicicleta, gravando nosso trajeto todo o tempo, em modo “loop” (mais adiante falaremos sobre isto), como uma verdadeira camera fixa de segurança!

Nestes dias temos feito este tipo de utilização, e, acreditem, ela funciona! Além dos possíveis agressores se sentirem “inibidos” com a possibilidade de serem filmados ao cometerem alguma infração (afinal, esta é, ou ao menos deveria ser, a função dos radares), se realmente formos vitimados, temos a possibilidade de uma defesa mais documentada!

E, em tempos de youtube e redes sociais, podemos até “educar” outros motoristas através destes vídeos! Mostrar como conviver com ciclistas, e principalmente o que não se deve fazer nesta convivência!

Nada melhor do que se colocar na “pele” do outro. Recentemente, uma empresa de ônibus de Recife colocou seus motoristas para pedalarem em bicicletas estáticas, enquanto outros motoristas  de ônibus passavam a 50 cm destes. Veja o resultado deste “experimento” aqui…

Então, nossa primeira dica é utilizar uma filmadora em loop recording (gravação em ciclos), que é um modo de filmagem semelhante a das cameras de segurança, onde não precisamos nos preocupar com “descarregar” as imagens para liberar memória, pois quando a camera atinge seu limite, ela inicia a gravação automaticamente do início do cartão. Nosso modelo tem este recurso, que você também encontra em cameras mais simples e mais baratas.

Portanto, ao selecionar seu equipamento, veja se ele tem esta característica!

E como diz o ditado, uma imagem vale mais que mil palavras!

#sonyactioncam

#registreoextremo


Postado em 7 de outubro por gugamachado

Tags:, ,

Cicloturismo 2: Planejando Tudo!

Continuando nossa série sobre cicloturismo, decidimos dividir o assunto “planejamento” da seguinte maneira:

– onde viajar;

– como viajar (incluindo preparação da bicicleta);

– o quê levar na viagem.

Como qualquer viagem convencional, um planejamento bem feito é fator determinante no sucesso de nossa empreitada.

No caso da bicicleta, é primordial que o roteiro escolhido seja compatível com a sua forma física. E aqui não entra só o condicionamento físico não!

De nada adianta ser capaz de correr uma maratona inteira se você não está adaptado a ficar mais de três horas pedalando, sentado no selim. Conheço muitas situações onde sobrou fôlego, mas faltaram pernas e bumbum, sé é que vocês me entendem…

Então o ideal é escolher um roteiro inicial com no máximo 200 kms, para ser feito em dois dias (sem contar a volta, ou seja, pedalar uma média de 100 kms por dia) e sem uma altimetria muito severa, ou seja, sem grandes subidas. E mesmo assim, devemos nos preparar para passar um bom tempo “em cima” da bike. Uma maneira de se fazer isto é aumentar o tempo de nossos passeios recreativos, gradativamente.

Se você hoje está adaptado a pedalar uma hora direto, aumente seu próximo passeio em 20% de tempo,  e assim gradativamente, até poder pedalar de duas a duas horas e meia sem intervalos.

Voltando a seleção do trajeto, o ideal é verificar as condições da estrada, se esta possui uma via alternativa/viscinal, dando preferência sempre aos caminhos mais “calmos”, isto é, com menos veículos automotores, nem que isto signifique um aumento no seu trajeto. Verifique também as condições climáticas do período/local em que pretende pedalar. Lembre-se que chuva e vento podem atrapalhar e muito a sua aventura!

É bom verificar e elencar prováveis pontos de apoio, tais como postos de combustíveis, restaurantes, postos policiais, hospitais, hotéis e pousadas, bem como bicicletarias disponíveis.

Procure sempre viajar em grupo (no mínimo em dupla) e deixe seus familiares bem cientes de suas metas de percurso, fazendo uma espécie de “check in” com eles a cada etapa atingida.

Informe-se também previamente sobre o seu trajeto com outros cicloturistas. No Brasil, esta é uma comunidade bem ampla e colaborativa. Você pode achar boas informações nos seguintes sites:

Clube do Cicloturismo

Circuito Brasileiro de Cicloturismo

No Brasil existem várias agências que operam roteiros de cicloturismo, com roteiros para os mais variados bolsos e gostos. Esta também é uma forma bem interessante de se viajar pois, dependendo do apoio, não há necessidade de se preocupar com a infra-estrutura (como carregar bagagens pesadas, selecionar hotéis e pontos de alimentação), ficando nossa atenção e prazer focadas totalmente no trajeto. Uma outra vantagem é no caso de uma viagem mais distante podermos levar nossos familiares que não pedalam, pois estes serão transportados e apoiados pela agência, também usufruindo da viagem conjuntamente, fazendo passeios e programas em comum nas noites.

Você encontra alguns exemplos de agências de cicloturismo aqui.

E aí? Já está preparando os alforges? Nos próximos posts trataremos do preparo da bike/ ciclista, bem como do quê levar.


Postado em 1 de outubro por gugamachado

Tags:, ,

Cicloturismo: Um Dia Você Ainda Vai Fazer!

Interior do Marrocos, por Fábio Samori

 

Por definição wikipediana, o cicloturismo é uma forma de turismo que consiste em viajar utilizando como meio de transporte uma bicicleta. É uma maneira muito saudáveleconômica e ecológica de se fazer turismo.

Viajar de bicicleta é incrível, uma experiência única. Primeiramente, a velocidade de tudo é bem menor, e com isto o caminho do ponto A até o ponto B deixa de ser um simples meio, e passa a ser um fim, ou seja, durante a pedalada do percurso nós vamos sentindo o cheiro das coisas, vamos conhecendo gente e lugares que normalmente não interagimos por meios motorizados, além da economia e do exemplo que promovemos. As vezes a experiência de se realizar o percurso é mais rica do que atingir o destino em si.
Se comparado a Europa, o Brasil ainda é iniciante nesta prática, porém estamos avançando a passos rápidos.

Para se iniciar nesta que pode ser considerada uma verdadeira arte, obviamente são necessárias várias providências, que vão desde a escolha do destino, procurando iniciar por algo mais simples e de preferência com algum apoio, até a melhora do condicionamento físico, passando pela adaptação da bicicleta, que deve ter algumas características particulares.

Como o tema é muito extenso, vamos iniciar uma série que dará dicas que vão abranger desde a preparação até o equipamento recomendado. Que tal?

Vamos ciclo viajar?

Postado em 22 de setembro por gugamachado

Tags:, , ,

Participe do Dia Mundial Sem Carro! Vá de Bike!

Hoje é o Dia Mundial Sem Carro! Aqui em São Paulo, é o décimo sexto ano consecutivo que a data é comemorada, mas esse dia já marca o calendário de muitas cidades e países desde 1998.

A campanha do Dia Mundial Sem Carro nasceu na França, em 1998, com apenas 35 cidades participantes. Em 2000, outros países da Europa passaram a adotar a data e o manifesto tomou força. O movimento chegou ao Brasil em 2001, com a participação de 11 cidades. Em 2004, mais de 1.500 cidades participaram da ação, distribuídas em 40 países!

O Dia Mundial Sem Carro tem como objetivo mostrar que é possível ter uma vida normal na cidade grande sem o uso do seu veículo. Ônibus, metrô e as bicicletas, é claro, são ótimas alternativas para locomoção.

Nos últimos anos, temos assistido a uma mobilização cada vez maior da sociedade no sentido de considerar a bicicleta como meio de transporte sério e viável, inclusive pelo próprio esgotamento do modelo de transporte atual, completamente centralizado nos carros.

E não é tão complicado sair pedalando no seu cotidiano. Aqui no EVDB, já demos várias dicas de segurança e comportamento no trânsito para quem nunca pedalou nas ruas e quer começar a substituir o veículo por um meio de locomoção mais econômico, menos poluente, mais ágil e muito, mas muito mais saudável!

Veja abaixo algumas dicas para deixar o carro na garagem e começar a pedalar!

A decisão de trocar o carro pela bike não é tão difícil quanto parece

Dicas de comportamento e sinalização para quem pedala no trânsito

– Veja como integrar a bicicleta a outros meios de transporte

– Saiba como pedalar com segurança durante a noite



Próxima